“Do ponto de vista da mãe todo filho é bonito”, já diz a música “Ponto de Vista” do grupo Casuarina. Realmente é verdade: a nossa “criação” brilha aos nossos olhos, principalmente quando ela se materializa.

No mundo do Carnaval isso não é diferente. O projeto de cada desfile carnavalesco é tratado como filho cabendo a cada um dos envolvidos zelar pela paternidade no que compete aos quesitos que defendem.

Esse cuidado com a produção faz com que, muitas vezes, a paixão nos cegue e nos blinde às críticas. Ninguém é obrigado a aceitar, mas deve ser capaz de compreender que existem diferentes pontos de vista sobre a mesma coisa.

Fundamentar o ponto de vista é essencial para ser devidamente respeitado no universo do carnaval, mas também requer uma boa dose de visão estratégica dos gestores e responsáveis dentro de cada agremiação pelos quesitos de julgamento.

Com a profissionalização do carnaval e o rigor do regulamento do concurso, cada vez mais a plástica e a técnica têm contado com o suporte de um misto grupo constituído por especialistas formados e profissionais com longa experiência em cada etapa do processo criativo. Logo, cada um se coloca no direito de expor sua visão.

Alguns defendem que a tradição deve prevalecer enquanto outros acreditam que deve modernizar e profissionalizar. Todo projeto está sujeito a ser analisado sob diferentes visões e isto é o que deve ser levado em consideração, afinal é a partir destes questionamentos que o carnaval como um todo evolui.

Ao meu ver, enxergo que todo o processo de preparação para o concurso se resume em três pontos-chaves que influenciam a formação da opinião: ângulo, vivência e conhecimento:

  • Ângulo: Podemos visualizar o carnaval por dentro, acompanhando o projeto de perto, ou de fora. Independentemente do ângulo de visão, as opiniões se formam de forma diferente. Bons gestores do carnaval ficam atentos aos dois ângulos.
  • Vivência: Participar ativamente do projeto carnavalesco contribui muito na construção da opinião. Quem efetivamente desenvolve atividades em prol da competição lida com os desafios e as dificuldades inerentes à preparação do espetáculo.
  • Conhecimento: A correta leitura e interpretação do regulamento do concurso é o ponto de partida, seja para produzir ou para jugar o desfile de carnaval. Além das regras, conhecer novos materiais e técnicas, assim como a própria história do carnaval, faz com que sejamos capazes de formar nova opinião sobre assuntos que antes jamais se aceitaria mudar ou discutir.

Bem, uma coisa é certa: opiniões agradam e incomodam. Precisamos saber lidar com elas e procurar extrair o melhor de cada uma.

O jeito, então, é respeitar os pontos de vista e ponto final.